0
  
     

Aconcagua, Polacos direta – parte 2

Quinto dia de Expedição e era dia de se mexer.

acampamento aconcagua
Dia de se Mexer????

Nosso primeiro porteo dos equipamentos sem mulas. A partir do Base (Plaza Argentina), temos que levar todas nossas coisas e normalmente isso é feito em duas investidas.
Primeiro levamos todo o equipamento de escalada e boa parte da comida deixando apenas o material de camping.

A montanha ainda estava branquinha, devido a neve acumulada com a nevada que deu durante a noite, vários grupos se adiantavam e eu me apressei para garantir um bom lugar de acampamento.

A caminhada até o Campo 1 é uma subida tranqüila, que toma de três a cinco horas. Escutei de um dos guias que essa caminhada é uma boa prova para você saber se está bem preparado para atacar o Glaciar dos Polacos. Se subir em até três horas e meia, é bem provável que não vai ter problemas físicos com a escalada.

campo 1 aconcagua
Junior subindo ao Campo 1

E lá fui eu, liguei o turbo e fiz a caminhada em duas horas e quarenta minutos. Não cheguei a fadigar, mas subi muito rápido e ao voltar ao base senti uma dor de cabeça.

Junior chegou uma hora depois, subiu tranqüilo, tirando fotos e filmando, mas enquanto isso eu tava encarando um frio e um vento de doer os ossos. Peguei um pouco d’água em um rio congelado e tentei me abrigar atrás de uma muretinha de pedra, com um pouco mais de 50 centímetros.

Não parava de chegar gente e estavam ocupando todos os bons lugares. Eu tinha garantido nosso espaço, mas como o Junior não chegava, cheguei a cogitar em deixar a mochila para trás e descer. Faltando pouco para fazer isso, eis que aparece ele. Juntamos tudo em dois sacos de tecido e iniciamos nossa decida ao Campo Base.

aconcagua
Subida ao Campo 1. Centopéias Gigantes.

Rapidamente um grupo que veio para ficar e não encontraram um bom lugar, indagaram quanto tempo demoraríamos para voltar e logo iniciaram a montagem da barraca no nosso espaço. Naquele momento ventava muito e eu quase me prontifiquei a ajudar os caras, mas depois de ficar uma hora parado não via a hora de mexer meu corpo e iniciar a descida e em menos de uma hora e meia estávamos de volta ao Base.

aconcagua
Junior voltando ao Base

Sexto dia era dia de descanso no Base. A dor de cabeça do dia anterior ficava mais chata. A solução era tomar ainda mais água e isso é uma coisa muito chata, perdi a conta de quantos litros eu botei para dentro e para fora, só sei que foram inúmeras garrafas.

Decidi suspender a Aspirina que vinha tomando diariamente antes de dormir, nuca tinha feito isso e fui provar essa idéia após escutar no Peru que isso era bom para “afinar” o sangue. O problema é que quando você realmente precisa dela, ela não vai estar lá para te ajudar.

No fim da noite, tive que me render e tomar mais uma Aspirina para conseguir dormir. No sétimo dia voltamos ao Campo 1, mesmo com um tempo bem ruim e o vento forte. Estávamos voltando para ficar e levávamos todo resto das coisas e, por conseqüência, a mochila estava mais pesada. Subindo a montanha, parecia ver umas quatro centopéias gigantes e enfileiradas uma apos a outra e isso me fez pensar: “Quantas dessas pessoas realmente vão fazer cume?”.

Afastei esse pensamento da minha cabeça e segui fazendo o meu.

Dessa vez, tive que esperar o Junior para montar a barraca, já que o vento não me permitia fazer isso sozinho e mais uma vez fui castigado pelo vento. A barraca que montaram em nosso espaço não tinha sido retirada, por motivos óbvios, e tive que reconstruir uma mureta e um espaço para poder montar nossa barraca.
Quando o Junior chegou, ajudou-me a terminar com a mureta e a montar a barraca. Finalmente podíamos nos abrigar. O resto do dia foi de neve e muito vento, que nos fez ficar aninhados dentro da barraca. O oitavo dia foi um dia de descanso no Campo 1. Mesmo com vento, foi possível limpar umas cuecas e umas meias na parte da tarde, com a ajuda do sol.

campo 1 polacos aconcagua
Campo 1 com sol.

Detalhe interessante sobre o perfil de um montanhista: ele viaja com apenas duas cuecas e com mais de 10 pares de meia. Vai entender… rs.

Nesse dia eu também conheci melhor um guia peruano chamado Apu. Trocamos idéia sobre a via, contei para ele que tínhamos escalado o Toclaraju e varias outras montanhas no Peru que o deixou animadíssimo, nos deu varias dicas e também fez recomendações sobre minha bota, falou que era uma bota leve, mas que dependendo da velocidade da escalada e do clima, eu não teria problema.

No nono dia porteamos parte de nossas coisas ao Campo 2. A altura já estava cobrando o preço dela. A caminhada era uma subida de matar, com um desnível de quase mil metros, já que o Campo 2 fica a 5800. Inúmeras pessoas iniciavam a mesma caminhada que a gente, mas logo percebemos que quase a totalidade estava indo para o Campo 3, um acampamento que fica entre o 1 e o 2, mas no sentido da Rota Normal, conhecido também como Guanacos. Conosco só subia mais um grupo de seis pessoas que iriam tentar o cume pela Falso Polacos e que também deveriam acampar no Campo 2.

aconcagua climb
Caminhada ao Campo 2

E ficando de cara com o “monstro”. Chegando ao acampamento, fiquei de cara com o Monstro ….. meu monstro…. que quando eu cheguei aos pés dele, parecia ser menos assustador do que eu vinha pintando em minha cabeça. Cheguei a brincar com o Junior: “E ai doido … borá largar essas porcarias aqui e sair subindo???” Mas eu sabia que era um monstro, meu monstro e devia ser respeitado.

No décimo dia não tivemos descanso. Voltamos ao Campo 2 para ficar e finalmente saímos da confusão do campo 1. O Glaciar dos Polacos é uma face seletiva e, conseqüentemente, tinha menos pessoas. Nesse dia devia ter mais algumas poucas barracas, talvez mais uma ou duas. Montar a nossa barraca foi uma luta, uma luta com o vento e com o frio. Dormir essa noite foi duro devido ao frio. Era a primeira noite que eu estava fechando meu saco de dormir completamente. Talvez tenha fechado o saco no Base, mas sentir frio mesmo, de por mais uma camada de roupa, foi a primeira noite.

Décimo primeiro dia.

Antes de sair do Base, tínhamos visto o prognóstico e ele não estava bom para os próximos dias. Dia 8 era um dia que iria cair neve pela manhã. Nesse dia, eu entrei em contato com o Campo Base via radio e fiquei sabendo que o dia seguinte, o dia que tínhamos planejado para atacar o cume, tampouco estaria bom. Chegavam mais pessoas no Campo 2 e, apesar da nevada que caiu, o dia estava quente, dentro do possível, evidentemente. Boa parte dessa galera iria pegar a Travessia dos Polacos, inda a face noroeste em direção à rota normal, para acampar em Colera, mesmo caminho que iríamos pegar para descer do Cume e de volta ao campo 2.

A ansiedade nesse momento só aumentava …. ficar agarrado na barraca esperando a janela certa e o momento mais adequada para atacar o cume, é quase como uma tortura.
Você já não agüenta mais ficar com um fedorento dentro da barraca, tudo incomoda, e são nesses momentos que duplas e grupos dão problemas de desentendimento. Um simples “vai buscar água lá agora você!!”, pode se transformar em uma grande briga.

cofrinho
Coisas que a gente tem que aturar dentro de uma barraca 🙂

Também é nesse momento que diferenciamos uma dupla, de dois parceiros. Nessas escaladas que venho fazendo com o Junior, percebi que arrumei um parceiro; tem coisas das funções diárias que eu não gosto de fazer, ou que eu estou com preguiça naquele momento e o Junior vai lá e faz na boa, da mesma maneira que ele tem os momentos dele, e é dessa maneira que a gente vem dividindo, somando e se ajudando.

chimarrão acampamento montanha
Matesito para ajudar a passar o tempo

No décimo segundo dia nevava MUITO, ficamos o dia inteiro dentro da barra, fiz apenas uma saída para buscar gelo em um lago congelado e logo tratei de voltar à barraca.
Nossa diversão nesse dia foi ver o montar e desmontar das barracas que insistiam em sair ou chegar ao Campo 2.

aconcagua alta montanha
Galera guerreando com o vento. Uma luta dura.

Com a quantidade de neve que caia era evidente que o dia seguinte seria mais um dia de espera e torcíamos para parar de nevar, ventar muito, fazer bastante frio a noite e sol na manhã seguinte.
E assim foi. No décimo terceiro dia, dez de janeiro, acordamos com um sol que reanimava a vida, feito um desfibrilador. Voltamos a entrar em contato com Plaza Argentina em busca do prognóstico e ele veio confirmando que essa seria nossa noite.

aconcagua
Pessoas saindo da barraca para respirar um ar “quente” de um glaciar frio.

acampamento neve alta amontanha
Barraca dos vizinhos com neve pela metade e isso que já estávamos na metade do dia

 O ataque ao cume estava confirmado para o dia onze e teria que ser dia onze, pois nossa comida já estava se esgotando e ficamos tempo demasiado a quase seis mil metros.

Dia 11…………………….

🙂

Arquivado em: Escalada, Montanhismo Tags: aconcágua, arthur estevez, expedição, polacos direta

Deixe o seu comentário!

Comentar!

© 2019 Adventure Zone. Todos os direitos reservados. XHTML / CSS Válidos.
Design: Equipe Adventure Zone.